Afinal os comunistas percebem de software livre

Não entendo, este assunto já foi debatido muitas vezes mas continua na ordem do dia. Software nos agentes do estado. Eu continuo a não perceber porque ainda se pagam licenças por software, havendo tanto software livre com excelente qualidade estando perfeitamente à altura do software proprietário.

Na reunião, o deputado do PCP João Oliveira questionou a administração da AR sobre a razão de não se ter optado pela instalação de programas de software livre «para obviar aos custos da utilização de software proprietário». «Foram reduzidas 65 licenças mas podia ter-se reduzido mais», disse.

softwarelivre

Em resposta à pergunta do deputado comunista, o director do centro de informática da AR, João Viegas, afirmou que «até ao momento a bancada do PCP foi a única a manifestar de forma concreta a vontade de ter a opção de software livre nos postos de trabalho». Fonte.

Isto leva-me a crer que vivemos num país informaticamente avançado, mas bastante ignorante no que toca a outras soluções. Porque não um Open Office para tarefas de escritório? Porque não uma distribuição de Linux bem adaptada para as funções? Porque se continua a pagar software? Eu sei que este assunto é bastante incidente da minha parte, mas é chato continuar a ver este tipo de notícias.

8 Comments on Afinal os comunistas percebem de software livre

  1. Trabalho e uso linux 99% do meu tempo mas …. uso o OpenOffice porque não tenho alternativa decente. Lentidão e “not-so-easy-of-use” são factores muito desmotivantes no OpenOffice e compreendo o porque as nem tanta gente adere. Preferia um MS Office com crossover…chicoteiem-me à vontade.
    De qualquer forma é pena a inercia contra a mudança rumo a alternativas baratas/ gratuitas e viaveis.

  2. Pagar por software livre, como por exemplo a quem faça manutenção e adaptação do mesmo deve, até, ser encorajado. Pagar para continuar a pagar, e para nunca ficar como desejado, como no software fechado/proprietário é que é uma ideotia!

  3. Quando falo lentidão refiro-me normalmente ao tempo de arranque, mas mesmo durante o tempo de uso ocasionalmente tenho uma sensação de arrasto.
    Quanto ao pc, o quad-core com 4gb de ram do trabalho queixa-se bem menos que o athlon 2600+ com 1gb de ram que tenho em casa..

  4. Devido á minha área, pode parecer que vou puxar a brasa á minha sardinha, mas não é bem assim.

    O Software livre, faz tão bem, ou melhor, (ou pior também) dependendo do caso, todas as tarefas básicas, que qualquer um faz em casa.

    Mas num mundo empresarial, existem certas ferramentas usadas, que não podem ser essas que vocês ja conhecem.

    Grande parte do software vendido para companhias privadas, é feito á medida. Ou seja, a empresa diz o que pretende, e os programadores criam exactamente como pedido.
    E outra coisa, na maior parte destes dos casos, o software tem versão servidor e cliente, ou corre apenas num servidor, e os computadores da empresa acedem ao servidor central. Isto invalida o uso deste software aos comuns utilizadores caseiros.

    Esta é a principal diferença entre o Software que se manda fazer, e aquele que é disponibilizado na internet.

    Existem ainda bastantes coisas que grande parte das pessoas desconhece, e é devido a isso que têm opiniões mal formadas.

    Mas concordo que quando ha algo bom que ainda por cima é livre, que deve ser aproveitado… Pagar por algo que faz o mesmo, ou é estupidez, ou ignorância.

  5. Eu acho que só numa sociedade socialista é que o ideal do Software Livre pode ser completamente concretizado. Até lá, é complicado, porque as empresas maiores e com mais recursos terão sempre todas as condições para dominar o mercado a abafar a tentativa de converter a indústria do software numa baseada nesse ideal.

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*