iPod Nano, um autêntico estrondo!

A primeira geração de iPod Nanos prometia ser um estrondo de vendas. E não é que foi mesmo?! Foi um estrondo em ambos os sentidos.

O proprietário de um iPod Nano queixa-se de ter deixado o seu iPod a carregar durante 10 minutos ligado ao seu portátil, quando este começou primeiro a produzir um zumbido esquisito e pouco tempo depois explodiu, provocando faíscas e fumo.

O aparelho ficou no estado em que se vê nas imagens. O caso já foi relatado à Apple, no entanto, o proprietário ainda não foi recebeu qualquer resposta.

Este não é o primeiro caso do género com este tipo de equipamento, outros clientes da Apple têm contactado a gigante americana a relatar casos idênticos.

Isto cá para mim é mais uma das surpresas da Apple, um aparelho capaz de reproduzir um ambiente de discoteca com música, luzes e fumo, o pessoal não estava preparado… 😆

in 2dayblog.com

5 Comments on iPod Nano, um autêntico estrondo!

  1. Lool, isto a Apple é muito à frente, eu sempre disse! 😆

    Quanto ao produto em questão é uma vergonha para a Apple, uma empresa tão reputada pela qualidade dos seus produtos…

  2. Pela qualidade dos seus produtos ou pelas curvas que eles tem que os faz serem tão caros?

    Falam mal da Microsoft, mas deixem estar que a Apple não fica atrás…
    Apenas esta na moda criticar a Microsoft, por isso toda a gente alinha.. têm que começar a olhar também para outras marcas… enfim…

    Cumprimentos

  3. A aplle sempre foi pior que a microsoft em tudo (hardware e software) só que é menos conhecida, logo não anda nas bocas do mundo como a microsoft.
    A aplle sempre foi uma marca para as elites e não para o utilizador comum.

  4. Isto sim é que são aparelhos…fazem tudo para o que foram comprados e fazem coisas inesperadas… 8) agor mais a sério, é sempre frustrante isto acontecer mas também não podemos crucificar logo a Apple. Antes de mais convém saber quantos iPods Nano foram vendidos e a quantos aconteceram estas situações, ou idênticas. Julgo que só assim poderemsos tirar conclusões.

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*