Já não basta de paralisações?

Ainda há pouco tempo tivemos a paralisação do sector das pescas, que se prolongou por alguns dias. Para amanhã está prevista a paralisação de camionistas, com marchas lentas e até paralisações totais. Mas já não chega de beneficiar os patrões?

Tudo bem, Portugal está em crise, sei da sua dependência pelo petróleo e do alto custo do mesmo; mas que se poderá fazer quando o preço do mesmo não para de bater recordes?

As medidas que são aplicadas para travar estas paralisações, como já assistimos na paralisação dos pescadores, vêm beneficiar os patrões das mesmas industrias, fazendo-os pagar menos impostos, entre outros cortes nos encargos ao estado. E no fim de contas, os empregados são aumentados por estas regalias? Pois, sei que não…

Agora, por favor, basta de paralisações! Não tarda temos um país “parado” em busca do que o estado não pode oferecer…

6 Comments on Já não basta de paralisações?

  1. Tenho a dizer que infelizmente medidas de excepção não dão para melhorar.
    Caso não saibas, as pescas (tal como a agricultura) são actividades que pouco rendem. Existe muita especulação e um mercado que usa e abusa.
    Os pescadores têm razão no protesto que fazem, até porque caso não saibas, temos pouco mais de um par de embarcações de grande porte 100% nacionais. Existem outras, navegam com a nossa bandeira, utilizam a nossa quota de pesca, mas são pertença de, essenialmente, armadores espanhois. Se tu não motivas uma actividade como esta, do sector primário … então bem podes arrumar as botas.
    Pena é que as medidas sejam apenas para os calar agora, no caso dos pescadores. E sim, as medidas vão para os trabalhadores, que trabalham ao Dia na pesca e caso a embarcação deixe de ir ao mar devido a grandes despesas … os patrões ganham menos 2 tostões e a malta morre de fome.

    Quanto aos camionistas, bem se sabe que o gasóleo é bem essencial. Estes jovens andam já à muito tempo à espera de um pretexto para fazerem algo pela sua profissão. O gasóleo é um problema, mas também o é a carga fiscal … e a sua distribuição. É que não pagas só o irs, pagas o imposto de circulação, pagas o imposto do imposto do imposto …. pagas e bem. e este é um sector terceario.

    O problema do petróleo é muito mais grave do que se pensa e o governo não está a agir de acordo, está a mudar consoante os sectores se vão queixando.

    Por exemplo, quando o pessoal da agricultura começar a ter mais dificuldades em produzir, ui…

    Penso que a polítia governativa não está a ser a melhor para corrigir os problemas, pelo menos dos sectors primários. Pelo menos o sector secundário (minas) está a ter um bom momento.

  2. È verdade. Já chega de paralisações, mas temos que compreender que com esta crise dos combustíveis existem vários sectores afectados e cada um tem que manifestar o seu descontentamento. Infelizmente os mais beneficiados, são (a maioria) as entidades patronais e os operários os que mais perdem.
    Enfim só mesmo o Euro 2008 e a Selecção Nacional para fazer esquecer um pouco da crise… 🙁

  3. Tu deves ser um menino rico que tem um papá que te paga o gasoile, senão caso contrário não serias contra as paralisações e contra as injustiças e ladrões deste país. Vê se cresces e abres os olhos!!!

  4. Não sou rico, longe disso. Mas também não acho que certas e determinadas medidas melhorem alguma coisa, como as paralisações.

  5. Então que é que queres fazer?
    sentar-te num banco confortável e esperar que o governo mude sem mais nem menos a postura dele perante isto?
    Deixa estar, que o dinheiro que está a ir para ele com o aumento dos combustíveis, se ninguém se queixar, o estado não vai baixar os preços..

    Temos que reagir!!
    Acho muito bem estas paralisações, pode ser que assim o governo e outros abram os olhos…

    Cumprimentos

  6. não esquecer:
    – aumento do preço do petróleo traz inflação
    – inflação traz menos poder de compra
    – menos poder de compra traz fome
    – fome traz guerra
    … e acreditem que não estamos assim tão bem.

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*